Correio Central
Voltar Notícia publicada em 24/11/2021

Pilotos e comissários de voo prometem greve nacional a partir de segunda (29)

Aeronautas farão a paralisação de 50% dos tripulantes por dia. O sindicato diz que a proposta patronal apresentada foi “muito aquém de recompor as perdas salariais” e já rejeitada pela categoria.

Pilotos e comissários de voo associados ao Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) aprovaram a deflagração de uma greve nacional a partir de segunda-feira (29) por tempo indeterminado.

Segundo o sindicato, a categoria é “contra a intransigência das companhias aéreas nas negociações da renovação da convenção coletiva de trabalho”. A categoria reivindica reajuste salarial que contemple a reposição das perdas inflacionárias nos últimos dois anos, seguindo o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) do período de 1º de dezembro de 2019 a 30 de novembro de 2021.

A assembleia em que os trabalhadores decidiram deflagrar a greve ocorreu nesta quarta-feira (24), e segundo o presidente do SNA, comandante Ondino Dutra, teve a participação de cerca de 700 funcionários de companhias aéreas.

“Em respeito à sociedade e aos usuários do sistema de transporte aéreo, os aeronautas farão a paralisação de 50% dos tripulantes por dia, enquanto os outros 50% permanecerão em serviço”, informou o SNA.

O sindicato diz que a proposta patronal apresentada foi “muito aquém de recompor as perdas salariais” e já rejeitada pela categoria. O SNA disse ainda que negou a ultratividade da atual convenção, ou seja, não garantiu a manutenção das cláusulas atuais da convenção em caso de um novo acordo não ser fechado até a data-base, que é 1º de dezembro.

O setor da aviação foi um dos mais atingidos pela crise no ano passado e ainda não se recuperou completamente. Para sobreviver ao impacto causado pela pandemia, as empresas criaram programas de licença não remunerada – que foram sendo reduzidos aos poucos.

“Desde o início da pandemia a categoria nunca parou de trabalhar, tendo enfrentado graves riscos de contaminação por Covid-19, e deu sua contribuição no combate à doença transportando vacinas, insumos e equipamentos. Além disso, pilotos e comissários deram colaboração importante para a recuperação das empresas aéreas ao aceitar, de maneira correta, reduções salariais e remuneratórias que perduram até hoje”, informou o sindicato em nota.

O CNN Brasil Business entrou em contato com o Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (SNEA) e aguarda posicionamento.

Por Thâmara Kaoru

*Com colaboração de Cleber Souza e com informações da Agência Estado

Fonte: CNN Brasil