Correio Central
Voltar Notícia publicada em 25/10/2021

TRATORAÇO: Ouro Preto do Oeste figura em denúncia na CGU de suposto sobrepreço nas emendas

Deputados Lúcio Mosquini e Vitor Hugo disseram que, se houve uso irregular do dinheiro público, a responsabilidade é da prefeitura.

Reportagem publicada na tarde deste domingo (24/10) sob o título “’Tratoraço’ recebeu verbas públicas destinadas por 30 parlamentares”, pelo jornal O Estado de São Paulo, revela que pelo menos 30 parlamentares destinaram verbas públicas para compras de tratores e máquinas agrícolas sob suspeita de superfaturamento.

A Estância Turística Ouro Preto do Oeste adquiriu no início do ano motoniveladoras com recurso de emenda parlamentar do chamado “tratoraço”, oriundas do que ficou conhecido como “Orçamento Secreto”.

O jornal o Estado de São Paulo conversou com o deputado rondoniense, mas nãocita contato com prefeitos de municípios beneficiados.  

A publicação também publicada pelo portal UOL, noticia que os nomes dos deputados e senadores por trás das emendas do "tratoraço" vinham sendo mantidos em sigilo graças a um acordo do Executivo com lideranças do Congresso para viabilizar o orçamento secreto e construir uma base de apoio parlamentar ao governo federal.

A reportagem é fruto de uma investigação do Estadão, com base em planilha interna do Ministério do Desenvolvimento Regional e um relatório da Controladoria-Geral da União (CGU), rastreou, porém, os nomes de políticos que enviaram verbas federais para compras sob suspeita de sobrepreço.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, somente em dois deles, propostos pelo vice-líder do governo na Câmara, deputado Lúcio Mosquini (MDB-RO), as cifras a mais chegam a R$ 983 mil.

De acordo com a publicação “As prefeituras de Ouro Preto do Oeste e Pimenta Bueno, em Rondônia, preveem a compra de duas motoniveladoras e três pás carregadeiras por R$ 3,24 milhões”, no entanto o maquinário já foi adquirido.

A auditoria da CGU destacou, no entanto, que o valor de referência seria de R$ 2,25 milhões. A diferença é de 47%. A prática está longe de ser isolada.

Procurados pelo jornal, os deputados Lúcio Mosquini e Vitor Hugo disseram que, se houve uso irregular do dinheiro público, a responsabilidade é da prefeitura. Mosquini também discordou da avaliação de sobrepreço. "Equívoco. Hoje você não compra máquina nem pelo dobro", disse.

A reportagem cita a audiência na Câmara, no último dia 7, onde o ministro da CGU, Wagner Rosário, disse "não ter dúvidas de que há corrupção na ponta".

LEIA MATÉRIA NA ÍNTEGRA NO PORTAL DO UOL: https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2021/10/24/tratoraco-recebeu-verbas-publicas-destinadas-por-30-parlamentares.htm

Fonte: O Estado de São Paulo - portal UOL